Informe 113

Informe 113

22 de setembro de 2020

No dia 22/setembro foi realizada a décima oitava reunião da Diretoria Executiva da gestão 2019-2021 da Sociedade Guarani, na sede da Praia Brava, com a ausência do diretor social Rodrigo Correia.

Tesouraria
O presidente da Diretoria Executiva apresentou a situação financeira de julho a agosto/2020, primeiro bimestre do exercício de julho/2020 a junho/2021. A receita operacional alcançou R$ 346,9 mil, dos quais R$ 332,4 mil oriundos de mensalidades, e a despesa operacional somou R$ 236,7 mil, sendo R$ 103,0 mil relativos a folha e seus encargos e R$ 72,7 mil de manutenção da sede da Praia Brava. Deste modo, o saldo operacional ficou em R$ 110,2 mil. Por outro lado, a receita não operacional foi de R$ 64,3 mil, sendo R$ 48,2 mil da venda de títulos, e a despesa não operacional somou R$ 112,0 mil. Deste modo, o saldo não operacional ficou em R$ 47,7 mil negativo, e o saldo final foi de R$ 62,5 mil. No final de agosto/2020 o saldo bancário alcançava R$ 1.397,6 mil, sendo R$ 100,5 mil do fundo operacional (artigo 184) e R$ 101,2 mil do fundo de reserva (artigo 185).

O diretor tesoureiro Carlos Eduardo “Pipoca” Campos disse que persiste a dificuldade em receber os aluguéis dos dois espaços da sede da Hercílio Luz. A Diretoria Executiva concordou que, apesar de os pagamentos relativos ao estacionamento serem infrequentes, é preferível ter o locador do que deixar o espaço desocupado, para a segurança do patrimônio todo. Quanto ao restaurante, a percepção é outra, e se começará a estudar a possibilidade de uma rescisão contratual.

O vice-presidente Marcelo Heusi estudará a tabela de locação dos salões da sede da Hercílio Luz e da sede da Praia Brava, cujos valores não são reajustados desde maio de 2018, trazendo uma proposta na próxima reunião.

“Guarani 2035”
O presidente Alexandre Kleis informou que recebeu das mãos do presidente do INIS (ex-Famai) a autorização de corte 025/2020, que permite a supressão de vegetação na área de 13.252 metros quadrados onde se pretende implantar a segunda fase do Plano Diretor, com a construção, na primeira etapa, de duas quadras de tênis e duas quadras de pádel cobertas; na segunda etapa, de duas quadras de pádel e uma quadra poliesportiva cobertas; e na terceira etapa, de dois campos de futebol society de grama sintética. Como o Conselho Deliberativo liberou, em reunião iniciada dia 2/setembro, R$ 120 mil sendo R$ 30 mil para supressão vegetal, R$ 10 mil para sondagem do solo e R$ 80 mil para elaboração dos diversos projetos técnicos, o diretor de patrimônio Marcos José da Silva disse que no dia seguinte os trabalhos seriam iniciados. Informou também que está em andamento uma licitação para escolha do escritório que fará os citados projetos, havendo já oito interessados; completou dizendo que seriam aceitas inscrições até dia 25, sexta-feira, e que os interessados terão até dia 9/outubro para entregarem suas propostas.

O diretor jurídico Dr. Rodrigo Xavier apresentou um parecer jurídico em que defende que a justificativa para uma chamada de capital, exigência do artigo 150, inciso X do Estatuto Social, pode ser genérica, não precisando, necessariamente, estar associada a uma ou mais de uma obras específicas. Frisou que, por outro lado, por exigência do artigo 193, inciso III, os projetos das obras de custo superior a mil taxas de manutenção (hoje, R$ 280 mil) devem ser aprovados em Assembleia Geral, além de terem de seguir toda a normativa estabelecida pelo recém-aprovado capítulo Regimento Interno.

Assim, o presidente Alexandre Kleis solicitou que tal parecer fosse encaminhado ao presidente do Conselho Deliberativo, Dr. Eduardo Brandão. Completou dizendo que pretende, na continuação da reunião do Conselho Deliberativo iniciada em 2/setembro, propor que se aprove uma chamada de capital de R$ 3.600 para cada um dos 660 sócios, que poderá ser paga ao longo de 30 meses (de janeiro/2021 a junho/2023) por R$ 120 mensais ou à vista por R$ 3.300, com a justificativa de “construir em local definitivo duas quadras de tênis e duas quadras de pádel cobertas e concluir o conjunto sócio-esportivo Panorâmico”. Sendo aprovada tal proposta, convocaria imediatamente uma Assembleia Geral Extraordinária para aprovar o início das duas obras.

Secretaria
O presidente Alexandre Kleis assinou, com o diretor secretário Murilo Chaves, o ato normativo 43, que revoga o ato normativo 33, o qual propunha procedimentos para agilizar o funcionamento da comissão disciplinar, o que não ocorreu. Informou que está se estudando uma forma de fazer funcionar a citada comissão, que está inoperante.

Aprovou-se a abertura de um processo para obter patrocinadores para a produção dos livretos do Regimento Interno, que se encontra em fase de consolidação.

Patrimônio
O vice-presidente Marcelo Heusi apresentou o projeto de instalação do novo playground, aprovado pela Diretoria Executiva.

O diretor de patrimônio Marcos José da Silva trouxe uma relação de pequenas obras espalhadas pelo clube, e decidiu-se que na próxima reunião se tratará do assunto, estabelecendo uma ordem de prioridade.